Abril Amarelo: Conscientização da Hérnia Diafragmática Congênita

Abril marca o mês da Conscientização da Hérnia Diafragmática Congênita – conhecido também como ‘Abril Amarelo’. Esse tipo de  malformação causa apreensão nas gestantes, pois podem acarretar em graves sequelas respiratórias, ou até mesmo a morte do bebê. Isso ocorre em virtude da falha na formação do diafragma do feto, fazendo com que os órgãos abdominais subam para a caixa torácica, impedindo o desenvolvimento completo do pulmão. 

De acordo com o Dr. Renato Sá, chefe do  Serviço de Cirurgia Fetal da Perinatal/ Rede D’Or, a taxa de sobrevida, nesses casos, é de 60%, em média, e pode variar conforme a gravidade. Em diagnósticos com alto risco de óbito, o médico explica que a melhor opção são as intervenções intrauterinas, realizadas na Perinatal desde 2017, tornando-a a primeira instituição privada no Estado do Rio de Janeiro a realizar essa cirurgia de alta complexidade. “Nesta etapa do processo é inserido um balão dentro da traqueia do feto, permitindo o desenvolvimento adequado do pulmão do lado não afetado”.  

Por se tratar de uma intercorrência complexa, o procedimento necessita de uma equipe multidisciplinar de excelência e de uma estrutura de ponta. E é através da capacitação de profissionais e dos recentes avanços tecnológicos, que é possível salvar vidas mesmo em situações de alto risco. A técnica minimamente invasiva, via toracoscopia, é realizada sem agredir os tecidos. Com apenas três pequenas incisões, uma de 5mm e outras duas de 3mm, é possível  a cirurgia no bebê. No Centro de Cirurgia Fetal e Neonatal (CCFN), o primeiro centro do país, recém-inaugurado, que trata por completo a mãe e o bebê, é oferecido toda a infraestrutura e equipe altamente especializada para a realização das duas cirurgias.

Os recém-nascidos diagnosticados com HDC são colocados em respiração assistida na UTI neonatal, onde ficam em observação para avaliar a capacidade dos pulmões. A correção é feita entre o terceiro e o quinto dia de vida. “Nestes casos, o parto deve ser feito em hospitais de alta complexidade para que o tratamento adequado seja oferecido logo nos primeiros minutos de vida. O diagnóstico pode ser feito a partir do terceiro mês de gestação, quando o diafragma já deve estar formado”, alerta o Dr. Renato.

Dr. Renato Sá, responsável pela obstétrica da Perinatal
CRM 5251923-2

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Acima ↑

Crie seu site com o WordPress.com
Comece agora
%d blogueiros gostam disto: