Endometriose na adolescência

A prevalência da endometriose cresce de acordo com o avançar da idade. No entanto, em casos menos frequentes, devido a malformações uterinas que obstruem o fluxo do sangue para fora do organismo, a enfermidade pode surgir até mesmo em mulheres que nunca menstruaram.

Sintomas de endometriose na adolescência

O principal sinal da endometriose em adolescentes é a cólica menstrual, que costuma ser mais frequente e geralmente muito intensa. Dores fora do ciclo menstrual também podem ocorrer.

Já o incômodo durante as relações sexuais e a infertilidade, comuns em mulheres com um pouco mais de idade, são menos frequentes.

Diagnóstico da endometriose

Apesar de a endometriose ser definitivamente confirmada apenas após biopsia na cirurgia, o médico pode ter um forte diagnóstico clínico a partir do relato da paciente e de exame ginecológico cuidadoso.

Caso o profissional ache necessário, ele também pode recorrer a outros recursos, como exames de imagem com preparo especializado, em particular a ressonância magnética.

Descobrir a endometriose precocemente é fundamental para evitar o agravamento do quadro, não só no que diz respeito à intensidade das dores, como para não comprometer órgãos próximos aos focos da doença.

Os sintomas, por serem comuns aos de outros problemas de saúde, contribuem para a demora do diagnóstico. Além disso, a cultura de que cólicas são normais e a não valorização das queixas apresentadas nos consultórios também atrapalham na descoberta precoce da doença.

Tratamento para endometriose

A conduta inicial em adolescentes é a prescrição de pílula anticoncepcional de uso contínuo, para interromper a menstruação, e de analgésicos comuns.

Caso não sejam suficientes, são indicadas a videolaparoscopia ou a cirurgia robótica. Ambos os procedimentos são minimamente invasivos, bastante eficazes e seguros.

Os exercícios físicos também ajudam a liberar substâncias que reduzem a dor, praticá-los regularmente é extremamente benéfico.

Manter uma dieta equilibrada é fundamental e quanto mais cedo o hábito for iniciado, maiores serão os benefícios ao longo da vida. Afinal uma alimentação inadequada pode estimular respostas inflamatórias no organismo e contribuir para o desenvolvimento e agravamento da endometriose.

Dr. Diogo Rosa, Coordenador do Centro de Cirurgia Ginecológica da Perinatal – CRM: 5277195-3

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Acima ↑

Crie seu site com o WordPress.com
Comece agora
%d blogueiros gostam disto: